Apresentação

Gerar, disseminar e debater informações sobre BABY FOOD, sob enfoque de Saúde Pública, é o objetivo principal deste Blog produzido no Laboratório de Vida Urbana, Consumo & Saúde - LabConsS da FF/UFRJ, com participação de alunos da disciplina “Química Bromatológica” e com apoio e monitoramento técnico dos bolsistas e egressos do Grupo PET-Programa de Educação Tutorial da SESu/MEC.

Recomenda-se que as postagens sejam lidas junto com os comentários a elas anexados, pois algumas são produzidas por estudantes em circunstâncias de treinamento e capacitação para atuação em Assuntos Regulatórios, enquanto outras envolvem poderosas influências de marketing, com alegações raramente comprovadas pela Ciencia. Esses equívocos, imprecisões e desvios ficam evidenciados nos comentários em anexo.

domingo, 13 de julho de 2008

Qual a diferença entre NAN 1 e NAN 2, é realmente necessário essas duas fórmulas?

Analisando as tabelas nutricionais de ambas as fórmulas, o que se vê é um aumento basicamente de minerais, proteínas e algumas vitaminas do NAN 1 (fórmula de partida) para o NAN 2 (fórmula de segmento). Isso é explicado pela a maior necessidade dos bebês por nutrientes, já que a fase de desenvolvimento muda depois dos 6 meses.

Segundo a OMS essa suplementação de nutrientes após os 6 meses de amamentação com leite materno deve ser feita através da introdução de novos alimentos como papinhas, sopinhas e frutas.

Se o objetivo dessas fórmulas é mimetizar a fisiologia, então qual é a finalidade de se ter 2 fórmulas diferentes, uma vez que o leite materno não muda após 6 meses?

Não é possível encontrar outra explicação senão o fato de aumentar as vendas e o preço de tais produtos. O que poderia-se fazer seria o uso de apenas uma fórmula (no caso NAN 1) até os 12 meses, complementando a partir do 6º mês com as papinhas, frutas e sopinhas.
Laura de Carvalho e Silva e Maria Beatriz Rangel Ramos

5 comentários:

Naiara disse...

Tantas fórmulas existentes no mercado(NAN 1, NAN 2, NAN 1 PRO e NAN 2 PRO) fazem com que as mães, grandes interessadas nesse tipo de produto,fiquem confusas sem saber qual é o melhor produto para seu filho.São tantas as vantagens oferecidas(aparentemente)que as mães começam a achar que seus leites são fracos e/ou insuficientes para o bem estar dos bebês.
No fim das contas o que ocorre é um prejuízo financeiro e principalmente,na saúde da criança.

leonardo disse...

O principal interesse da indústria alimenícia definitivamente esta no lucro em que o seu produto irá lhe proporcionar e não em como irá refletir na saúde do consumidor.Todos sabemos da importância do leite materno e que este é o alimento mais completo para o bebê.Nos rótulos deste tipo de produto deveria se tornar obrigatório constar uma informação sobre o leite materno,alertando de forma clara o consumidor da importância da amamentação.

Tatiana Duboc disse...

Muito bom este blog. Sem duvida nenhuma o leite materno continua sendo a melhor op�o e imprescindivel pelo menos durante os 6 meses de vida do beb�. Ja sobre a quest�o do NAN 1 e NAN 2 isso � uma jogada de marketing para valorizar o produto e o consumidor acaba comprando pois n�o tem nada que possa esclarece-lo melhor disso.

Nana disse...

A diferença que vocês consideram "básica" de nutrientes e vitaminas é muito importante quando se trata de bebês.

Logo, não se trata apenas de jogada de marketing, não. As necessidades de um bebê antes e depois dos 6 meses são diferentes, e as empresas são obrigadas a acompanhar e atender.

Não é a mesma coisa dar 1 ou 2, em se tratando de fórmulas.

O engodo mesmo está nos ninhos +, esses são duvidosos.

Karina Borguete disse...

NO DIA EM QUE UM DE VCS NÃO PUDER AMAMENTAR E ISSO ACONTECE,QUERO QUER SE VÃO FALAR A MESMA COISA!!